Entrevista com o Dr. Jeremiah Weinstock, Saint Louis University

Entrevista com o Dr. Jeremiah Weinstock, Saint Louis University


Este Q&A é a entrevista completa com o Dr. Jeremiah Weinstock. Para nosso mergulho profundo no vício em negociação de criptomoedas, com a contribuição do grupo completo de especialistas, consulte este artigo.

Abaixo está uma entrevista com o Dr. Jeremiah Weinstock, professor do departamento de Psicologia da Saint Louis University, com foco em comportamentos aditivos com ênfase em transtorno de jogo e exercício como intervenção. Esta é a transcrição completa de nossa entrevista, cujas citações foram publicadas em nosso artigo principal sobre o tema aqui.

Para um mergulho profundo no tópico do vício em negociação de criptomoedas e seus links para jogos de azar, siga esse link. Quanto à entrevista completa do Dr. Weinstock, veja abaixo.

CoinJournal (CJ): Você acha que há semelhanças entre o vício em negociação de criptomoedas e o vício em jogos de azar? Se sim, poderia citar os mais notáveis?

Embora o vício em negociação de criptomoedas não seja um diagnóstico oficial em nossa classificação de transtornos psiquiátricos, os indivíduos que se envolvem em negociação de criptomoedas podem ter dificuldades e sofrer consequências negativas deste tipo de comportamento.

A marca registrada do transtorno do jogo e outros vícios são (1) uma perda de controle, o que significa que um indivíduo tenta parar ou reduzir seu comportamento de jogo e é incapaz de fazê-lo, (2) tolerância, precisando fazer o comportamento em um maior intensidade para alcançar o efeito desejado e (3) retirada, experimentando irritabilidade e mau humor quando se tenta parar ou reduzir.

Se os indivíduos que se envolvem no comércio de criptomoedas experimentam um ou mais desses sintomas característicos, eles são potencialmente viciados no comércio de criptomoedas. Os traders que buscam emoção e estão negociando com frequência (ou seja, não compram e mantêm a estratégia de investimento) correm maior risco de esse comportamento se tornar mal-adaptativo.

 

CJ: Na sua opinião, o que torna atividades como negociação tão viciantes?

A incerteza e a volatilidade dos mercados de criptomoedas. Uma “oportunidade” de ganhar dinheiro em pouco tempo existe nesses mercados. Indivíduos que experimentam uma grande vitória no início são mais suscetíveis ao comércio de criptomoedas se tornar viciante.

CJ: Quais são seus pensamentos sobre influenciadores que, em troca de uma taxa dos fundadores, promovem criptomoedas obscuras para seus seguidores com pouco conhecimento de como isso funciona – você acha que isso é problemático?

Não acredito que os influenciadores sejam problemáticos, pois o público em geral geralmente entende que eles estão tentando monetizar os tópicos que estão destacando ou promovendo. A divulgação de sua relação financeira com essas empresas aumentaria a transparência.

A promoção dessas moedas aumenta a disponibilidade percebida. A disponibilidade é um componente necessário para o desenvolvimento de um transtorno viciante.

CJ: Na sua opinião, a volatilidade diária dos preços das criptomoedas afetaria a saúde mental, já que as pessoas veem seus investimentos subir e descer tão amplamente a cada dia?

Sim, a volatilidade contribui para problemas de saúde mental, pois o dinheiro dos indivíduos sobe e desce diariamente. À medida que os indivíduos vinculam seu investimento em criptomoedas à sua identidade, isso afeta a autoestima e contribui para a depressão e a ansiedade. Para alguns indivíduos, a volatilidade será excitante e eles perseguirão a emoção de tentar “cronometrar” o mercado.

CJ: A pesquisa sobre o vício em negociação de criptomoedas ainda é limitada, você acha que a necessidade disso provavelmente aumentará no futuro?

Existem pesquisas limitadas sobre negociação de criptomoedas até o momento, e muitas delas investigam se a negociação de criptomoedas deve ser incluída como parte do distúrbio de jogo porque o comportamento em si atende à definição de jogo – colocando algo de valor em risco quando o resultado é desconhecido com a esperança de ganhar algo de maior valor.

Existe a necessidade de realizar pesquisas nesta área. A atenção que essa área recebe depende do mercado e se a consolidação/regulamentação ocorre, se as consequências negativas do comércio de criptomoedas geram manchetes significativas e, finalmente, se há financiamento (ou seja, dinheiro) direcionado a essa área de tópico.

Atualmente, o comércio de criptomoedas não é uma área de tópicos financiada pelo National Institutes of Health, a maior fonte de financiamento de pesquisa na América.

 

CJ: Você acredita que o setor de criptomoedas deveria estar fazendo mais para promover investimentos seguros e abordar o problema do vício?

O setor de criptomoedas deve seguir o exemplo da NYSE e de outros mercados de ações, pois promovem a ideia de que o dinheiro no mercado é um investimento, não um esquema de enriquecimento rápido. Não há regulamentação sobre jogos de azar nas bolsas de valores.

 

CJ: O jogo convencional é restrito em muitos territórios a consumidores maiores de 18 anos. Você acredita que deveria haver uma regra semelhante dentro da criptomoeda, a fim de proteger mentes mais jovens e mais impressionáveis de um possível vício?

Essa é uma pergunta complicada que requer nuances. A adolescência é um período de desenvolvimento caracterizado pela tomada de riscos. A exposição precoce a um comportamento viciante aumenta a chance de que o comportamento se torne problemático. Por exemplo, indivíduos que bebem pela primeira vez antes dos 13 anos têm um risco significativamente maior de desenvolver um transtorno por uso de álcool.

Como os adolescentes obtêm acesso às criptomoedas? O monitoramento e a supervisão dos pais são extremamente importantes para que a criptomoeda esteja disponível para os adolescentes. No entanto, a NYSE tem limites de idade para investir em empresas listadas na bolsa?

Ambas as perguntas revelam os tons de cinza necessários para responder a essa pergunta.

CJ: Se eu puder pressioná-lo para uma resposta sim ou não, você acredita que o mundo seria um lugar mais feliz sem o jogo?  

O jogo tem sido um empreendimento humano desde o início dos tempos!

Dados foram encontrados no túmulo do faraó. O antigo texto hindu, o Mahabharata, contém uma história de vício em jogos de azar com um verso subsequente desencorajando o jogo. Para melhor ou pior, está em nosso DNA. Somos criaturas sociais que correm riscos.

O jogo é uma expressão de nossa tomada de risco. Minha esperança é que a indústria leve a sério a prevenção do transtorno do jogo e identifique quando o comportamento de alguém se torna problemático.

 

CJ: Que conselho você pode dar às pessoas interessadas em negociar criptomoedas, que podem estar predispostas a vícios relacionados ao jogo?

Há alguns anos, fizemos um estudo comparando jogadores profissionais a indivíduos que têm um distúrbio de jogo (Weinstock, Massura e Petry, 2013). Esses eram dois grupos de pessoas que jogavam regularmente, mas experimentavam resultados muito diferentes em termos de consequências financeiras e saúde mental.

Ambos os grupos endossaram a preocupação com o jogo; no entanto, a grande diferença entre os dois grupos foi a disciplina com seu dinheiro versus perda de controle/perseguição de perdas. Os jogadores profissionais tinham um bankroll com o qual costumavam jogar. A cada dia, os jogadores profissionais arriscavam apenas 5% de sua banca.

Uma vez que eles atingiram esse limite de perda, eles terminaram o dia. Eles não jogariam mais. Isso impediu que aumentassem suas perdas. Indivíduos com transtornos de jogo não foram capazes de estabelecer limites e aderir a eles. Essa ideia de estabelecer limites e cumpri-los seria o maior e mais importante conselho.

E se você achar que não consegue cumprir seus limites, pergunte a si mesmo se isso é um sinal de que sua negociação está ficando fora de controle!



Fonte de Dados

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Topo